Mensagem 1 – Pensar demais

Pensar demais é uma característica presente em muitas pessoas. Mas, pensar demais, não significa pensar. E e aí está o problema! Porque com um turbilhão de informações, imagens e incertezas o tempo todo passando pela cabeça, o que menos pensamos é naquilo que mais importa. É muito provável que os pensamentos em excesso estejam presentes na mente com a exata função de não nos fazer pensar. Então ao invés de dizermos “eu não paro de pensar”, poderíamos substituir por “eu não para de me distrair”.

Neste vício de pensar, pensar e pensar, o que acontece com a nossa alma, com a nossa consciência? Elas saem de cena e terminamos sempre com a sensação de nunca sabermos quem somos ou aquilo que queremos ou para que vivemos. Nos perdemos em nossos pensamentos…

E o que afinal está por trás de todo este pensar? Deixa eu adivinhar: “Nossa que pessoa incrível eu sou”, “Como sou cercado de pessoas extraordinárias!”. Ou talvez: “Me sinto tão grato por tudo”, mas aí não seria pensar, seria sentir! Ou o tema central deste pensar se resume em: comparações, cobranças, imperfeições, defeitos, julgamentos, planos futuros, preocupações, frustrações, mais comparações e julgamentos, ressentimentos do passado, erros e mais cobranças, mais julgamentos?

Quando estará bom? Quando será o suficiente? Quando estaremos bem e prontos? Quando alcançaremos enfim, um modo de ser ou uma vida que nos agrade? Neste passo poderá levar muito tempo mesmo, porque o eu não se torna, ele é. E essa coisa toda não dá certo porque nós nunca seremos, porque nós já somos.

Mas, perdemos tudo isso quando tentamos ser. É como tentar descrever um pôr do sol sem nunca ter parado um instante para observá-lo e senti-lo.

E que tal se mudássemos o pensar pela inspiração? Imagine como seria isso?

Coloque-se nesta posição: Você observa você, as pessoas, o mundo e não busca o errado de absolutamente nada. Não critica, não acha, não julga porque a maior parte destes julgamentos não acrescenta nada, só o afasta de tudo e de todos, irrita, entristece, causa dor, desconforto, desconfiança. Às vezes até o faz rir, mas perde a graça tão rápido que nem vale a pena, como naqueles momentos em que tiramos um barato da roupa ou do jeito do outro. Claro, que só como um comentário, porque nem eu e nem você falamos mal de ninguém. Mas, veja: Como seria se pudesse simplesmente olhar, perceber e sentir, não se prender aquela situação, não classificar e ser você, colocar o seu eu para fora e colocar para dentro de si só aquilo que você percebe como importante? Para que tanto peso, por que colecionar nos bolsos pedras pesadas, se podemos apreciá-las na natureza com suas belezas e irregularidades? Valeria mais a pena transportar amor, que em sua versão mais pura, é leve, nos preenche sem pesar e não dói ao ser lançado em direção ao outro – ou a nós mesmos – e sempre encontra espaço de sobra no coração.

E se você não entendeu alguma parte desta mensagem. Está tudo certo! Tudo está certo como é. Somos o que somos! Ame-se do jeito que você é! Deixe o outro se amar do jeito que ele é! Observe e não se apegue, sinta! Não pense mais em nada, apenas siga percebendo, observando, sentindo e inspirando-se momento a momento, dia após dia.

Anúncios